Entrevista Progshine: Jon Anderson (Yes)


Uma parceria entre Progcast e Progshine
Por Rhamses e Rodrigo “Rroio” Carvalho / Tradução Diego Camargo

Progshine – Em primeiro lugar, é muito importante para nós dizer o quanto estamos felizes com os shows que vocês fará no Brasil nessa semana e muito honrados com a oportunidade de fazer essa entrevista. Desde 1985, quando você tocou no Brasil pela primeira vez no Rock In Rio, você acabou voltando outras vezes. Há algo de especial no público brasileiro? Você sente que o público aqui no Brasil é mais íntimo, ou é uma coisa que acontece em outros lugares também?

Jon Anderson – Eu estou muito feliz por voltar ao Brasil, as pessoas são tão amigáveis, mesmo quando elas não me conhecem, os brasileiros são felizes com a vida e o país é maravilhoso de tantas maneiras diferentes. Há música em todo lugar, um país maravilhoso pra se visitar e pra cantar nele.

Progshine – No ano passado você voltou a trabalhar na música, não é? Em parceria com Rick Wakeman você lançou o ótimo disco The Living Tree (2010), que é um presente aos seus fãs que sempre estiveram do seu lado e estavam ansiosos a espera de um novo trabalho seu. Nos conte um pouco sobre esse projeto e qual é a sensação de trabalhar novamente com Wakeman durante todos esses anos?

Jon Anderson – Rick é um cara engraçado, e ainda louco depois desses anos todos, e ele continua tocando maravilhosamente bem. Nós temos uma ótima amizade e isso ajuda a música a se transformar em algo pessoal, sem contar que nos divertimos muito no palco juntos.

Progshine – Ainda no ano passado, com o álbum Survival & Other Stories (2010) você surpreendeu a todos, especialmente com a quantidade de ótimos músicos que você convidou para gravar o disco. Quando foi que você teve essa ideia e como foi o processo de composição e gravação com tanta gente e inspiração envolvida?

Jon Anderson – Eu percebi que existem tanta gente talentosa no mundo e então resolvi colocar um anúncio no meu site, pedindo que os músicos me mandassem suas ideias musicais, eu escolhi as melhores delas e então cantei minhas canções com eles, Survival é só uma pequena parte desse exercício musical, é uma maneira maravilhosa de criar música, todos os dias algo novo vinha até mim.

Progshine – Todo esse trabalho com Survival & Other Stories (2010), de alguma maneira, influênciou no processo de composição de ‘Open’? Essa faixa foi recebida muito bem pelos seus fãs desde o lançamento é um trabalho maravilhoso com muito dos anos 70 nela, realmente impressionante. Você trabalhou quase 1 ano nessa faixa, e chamou amigos pra trabalhar com você, certo? Qual é o tipo de mensagem você quer dividir com o seu público em ‘Open’?

Jon Anderson – ‘Open’ é uma canção de 21 minutos dividida em 4 movimentos, eu sonhei com esse projeto no ano passado, ela tem um som típico de estrutura musical do Yes e das coisas que eu fiz com a banda, um tipo de direcionamento musical que ajuda a criar uma boa estrutura pra música, que ao mesmo tempo pode entreter o público ao vivo e prender a atenção deles. Ela fala sobre a nossa liberdade de ter fé. Eu estou muito feliz com o resultado final, e o retorno dos fãs tem sido maravilhoso.

Progshine – Bem, falando um pouco das novidades e do mundo musical moderno, o Rock Progressivo parece estar em ascenção novamente, especialmente nos EUA, onde muitas bandas novas tem lançado discos com muita influência dos anos 70. Existe alguma dessas bandas novas que você tem ouvido? Que tipo de música você tem ouvido ultimamente?

Jon Anderson – Eu tenho estado em contato com músicos da África, eu amo a música ancestral da Etiópia cantada em Amharic (idioma típico da Etiópia). E existe tanta música boa pra se ouvir.

Progshine – Existe algum outro músico que você deseje trabalhar no cenário musical atual?

Jon Anderson – Uma pergunta bem difícil. Existem tantos músicos que se eu pudesse diria sim na mesma hora e não perderia a chance de trabalhar com eles. É só me convidar, só isso, não importa quem seja desde que venham com uma música feita de coração.

Progshine – Sobre as suas turnês recentes, como é tocar pra uma audiência mais íntima? Quais são as grandes diferenças entre essas turnês e as grandes turnês e shows nos anos 70 por exemplo? Existe a possibilidade de você fazer uma grande turnê no mesmo estilo dos anos 70?

Jon Anderson – Eu simplesmente amo a proximidade dos teatros e clubes, eu gosto de contar piadas e ouvir as risadas do público e do amor que se sente nos shows pequenos. Eu toquei em alguns grandes festivais este ano e eu adoraria fazer um projeto desses, bem grande, eu ainda tenho tantos sonhos pra alcançar. Só que leva tempo pra preparar os músicos e ter o palco certo, e é importante que tudo esteja certo pro público que vem ver meus shows.

Progshine – E sobre os shows no Brasil? Podemos esperar alguma surpresa? Há algo especial preparado para o público brasileiro?

Jon Anderson – Eu andei ensaiando novas ideias, alguns clássicos do Yes e também novas canções, isso me mantém animado, as pessoas parecem realmente gostar dos shows que tenho feito dessa maneira só eu meus violões e minha voz.

Progshine – Tendo feito parte de um dos maiores nomes do Rock Progressivo, você e sua ex-banda, o Yes, teve (e ainda tem!) um importante papel na história da música. Você influenciou muitos músicos e tocou muitos corações. Suas letras, músicas e jeito de cantar nos inspiram dia após dia e tudo isso está gravado no mundo todo. Como grande admiradores da sua carreira, gostaríamos de terminar essa entrevista com a seguinte pergunta: Qual é a sensação de ter sido parte de um grupo de pessoas que realmente mudou o mundo e continua sendo uma parte importante da vida de muitas pessoas? Ou é algo que é difícil pra você imaginar?

Jon Anderson – Eu me sinto tão abençoado por fazer música, e por ter fãs pelo mundo todo, e por poder cantar e aproveitar a vida. Por viajar com a minha esposa maravilhosa, Jane, que me apoia em tudo que eu faço, e também canta comigo em ‘Open’, minha alma gêmea. Eu sou muito abençoado… é muito bom estar vivo. Eu agradeço a todos os meus fãs por isso, especialmente vocês brasileiros.

Anúncios

Autor: Diego Camargo

Editor chefe do Progshine

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s