Esparso Sideral: Porque Ouvir Rock Progressivo Hoje Em Dia?


rush4_660
Geddy Lee do Rush em momento apoteótico

Por Rafael Senra

“Rafael, porque você escuta rock progressivo?”, foi o que um amigo me perguntou certa vez. “Gosto pessoal”?, pensei. Mas logo entendi que a dúvida do amigo tinha a ver com a necessidade de buscar funções práticas para a música. Por exemplo, ele gostava muito de funk – não o carioca, mas o estilo de artistas como James Brown, Tim Maia, Funk como Le Gusta, etc. Quando devolvi a pergunta (“e porque você escuta funk?”), a resposta estava na ponta da língua: “porque posso balançar o corpo! É um som com gingado, um som que me faz rebolar, dançar”!

A partir disso, devolvi essa pergunta para mim mesmo várias vezes ao longo dos anos seguintes. Porque eu gostava de rock progressivo? Um estilo fora de moda, de músicas longas, elaboradas, que trata de temas tidos como estranhos para a sociedade atual. Rituais como os de alguns primos meus mais velhos – que, em um fim de semana ensolarado, enrolavam uma seda e passavam horas em silêncio, apenas ouvindo bolachas do Pink Floyd, Focus, ELP, e outros – parecem tão anacrônicos hoje em dia. Enfim, o que bandas como Yes, Camel ou Van der Graaf Generator podem oferecer para os anseios do jovens do século XXI?

van-der-graaf-generator
Van Der Graaf Generator

Obviamente, não sou pretensioso a ponto de buscar uma resposta que soe definitiva. Mas tenho diversos palpites, que, apesar de tentar responder a algo mais universal, partem da minha própria experiência. Ouço progressivo porque encontro no estilo uma profundidade que não existe na música pop. Claro que existem músicas e músicas no pop; ou seja, penso que tanto artistas como Smiths ou Beyoncé podem se encontrar nesse enorme nicho que chamamos de pop – cada um a seu modo. E existem níveis de profundidade (ou falta dela) em cada um.

Só que, no caso do progressivo, podemos abordar essa profundidade em termos de forma e conteúdo. No primeiro caso, detendo-se sobre o aspecto formal, vale citar a elaboração sonora, melódica, rítmica e de arranjos. E no caso do conteúdo, boa parte das peças e temas lidam com conceitos bem interessantes, que vão além de frases feitas de livros de autoajuda.

Por exemplo, um aspecto bem interessante no prog é a perspectiva histórica (elemento comum com diversas bandas de metal também). Algo diferente da música pop tão imediatista e presa aos assuntos da moda. No progressivo, podemos encontrar álbuns conceituais como The Six Wives of Henry VIII, do tecladista Rick Wakeman, que conta a história das seis esposas de Henrique Oitavo, rei da Inglaterra nos séculos XV e XVI. Ou até mesmo na alcunha da banda Jethro Tull – que resgata o nome de um fazendeiro inglês do século XVIII que inventou uma revolucionária técnica de arado.

jethro-tull
Ian Anderson & Martin Barre do Jethro Tull em ação

Além dos dados históricos, há também um flerte significativo com a mitologia. No estilo, nos deparamos, por exemplo, com lendas como a de Scheherazade (dos contos árabes que compõem as Mil e Uma Noites), que inspira uma longa suíte da banda Renaissance. Ou as histórias do ciclo arturiano no disco The Myths and Legends of King Arthur and Knights of the Round Table, outro clássico de Rick Wakeman.

Outro aspecto que me chama a atenção, diferenciando o gênero dentro do leque da música popular ou do rock, são as constantes alusões à natureza e ao meio ambiente – elemento que aproxima o prog do estilo folk e derivados. Isso pode ser notado já no disco que é considerado o primeiro álbum conceitual do rock (e tido como marco zero do progressivo): Days of Future Passed, segundo trabalho dos Moody Blues, que simplesmente aborda o passar de um dia – desde o amanhecer até o anoitecer.

Renaissance
Renaissance

Claro que é possível encontrar tantos outros aspectos no estilo, como a recorrência de adaptações literárias (The Snow Goose, do Camel, adapta um livro do escritor Paul Galico), religiosidade (elemento presente em diversas canções do Yes, como ‘Close to the Edge’ ou ‘Awaken’), filosofia (o álbum Zarathustra, da banda Museo Rosenbach), apenas para ficar dentre alguns interesses dos artistas e bandas e progressivas. Mesmo temáticas mais universais e até mesmo contemporâneas costumam ser exploradas com igual profundidade (aqui, basta citar o grande nome do progressivo que é o Pink Floyd, em discos como The Dark Side of the Moon ou The Wall).

Mas essa listagem de elementos que distinguem o estilo progressivo não é o suficiente para responder à pergunta do meu amigo. Pelo contrário: se tantos aspectos pitorescos e fora da curva marcam o prog rock, porque ouvi-lo então? Afinal, se pensamos nos grandes nomes da indústria cultural atual – estes que dominam as rádios, os sites de streaming, que fornecem trilhas para produções audiovisuais e concorrem a Grammys – o rock progressivo talvez pareça um tanto quanto desajustado. Sem contar que, na correria da modernidade, as vezes é um luxo poder se dedicar a ouvir longas suítes de vinte minutos ou mais.

O Pink Floyd em momento 'facepalm'
O Pink Floyd em momento ‘facepalm’

Contudo, em uma era de nichos de mercado sustentáveis dentro de seus limites, é difícil dizer o que parece desajustado ou não. Na verdade, o julgamento que é dirigido ao progressivo geralmente se dá pelo fato de não ser mais um estilo hegemônico como era nos anos 70, quando discos como Tubular Bells (de Mike Oldfield) vendiam horrores, além de permanecer meses no topo das paradas. É um equívoco atrelar a suposta qualidade de algo à sua popularidade. Enquanto nicho de mercado, é possível dizer que o prog tem ampliado seu público, isso depois de algumas décadas circulando apenas entre poucos ouvintes.

O que vale afirmar é sobre como o progressivo atende à um público exigente não apenas por certo grau elevado de musicalidade, mas também por uma visão de mundo mais ampla e profunda que aquela costumeiramente disponível nos meios de comunicação e nos ditos “formadores de opinião” contemporâneos.

Mike Oldfield
Mike Oldfield

Nesse caso, vale lembrar a citação do ilustre filósofo indiano Jiddu Krishnamurti (que influenciou diversas letras e conceitos progressivos), quando diz que não é sinal de saúde estar ajustado a uma sociedade doente. A meu ver, é possível encontrar no estilo progressivo pontos de vista multifacetados, imprevisíveis, e talvez por isso, desajustados com as expectativas do senso comum.

O importante é que não apenas os grandes nomes progressivos setentistas, mas também diversos artistas novos como Steven Wilson, Opeth – e até alguns bem mais novos como Gandalf’s Fist – certamente permanecem relevantes e instigantes para ouvintes contemporâneos. Com um atraso de mais de uma década, esse texto seria a resposta que eu enfim daria a meu amigo curioso.

Anúncios

11 comentários em “Esparso Sideral: Porque Ouvir Rock Progressivo Hoje Em Dia?”

  1. Legal Rafael!!
    O interessante é que nos dias de hoje o progressivo talvez tenha sua maior popularidade depois do auge dos anos 70. Várias bandas surgem aí e muitas utilizam dos elementos do progressivo para qualificar seu som. Inclusive bandas que surgiram dos gêneros mais extremos como o Opeth, o Amorphins, o Paradise Lost, Anathema, etc…
    O progressivo é um estilo para quem não tem preguiça.
    Acho que depois que alguem perguntar porque você ouve progressivo hoje em dia, devemos devolver a pergunta e perguntar porque a pessoa NÃO ouve progressivo.

    Curtir

    1. Fernando, você tá é certo! Nunca foi tão bom para o fã de Prog quanto nos últimos 10 ou 15 anos. A quantidade de bandas e discos sendo lançados todo ano é enorme. Tem pra todo mundo.

      E a tua pergunta realmente faz sentido hoje em dia, porque NÃO ouvir Prog?!?! O preconceito bobo já foi deixado pra trás fazem anos. E eu fico sempre indignado quando a galera diz não ter espaço pro Prog. Prog nunca teve espaço, foi um fenômeno dos anos 70, mas nasceu underground. Eu acho que apesar de não gostar de muitas bandas novas, tem pra todo mundo alguma coisa hehehe

      Curtir

    2. Também acho, Fernando! Depois dos anos 70, certamente temos na atualidade o momento de maior relevância do gênero. Tem muitas bandas novas do estilo, umas mais “old school” e outras bastante inovadoras. Sem contar que artistas clássicos como Steve Hackett, Van der Graaf Generator ou SBB tem lançado novos discos sensacionais. Quem perde tudo isso por mero preconceito tá vacilando muito. Obrigado pelo comentário!

      Curtir

  2. Questão interessante. Nunca tinha feito essa reflexão.
    Eu não me considero um “progger”… Nem de longe. Minhas raízes musicas nasceram no Movimento Punk do ABC paulista, e depois, com o amadurecimento (ou não!) fui migrando para o heavy metal e hard rock.
    O prog só foi aparecer depois de alguns anos, quando eu comecei a buscar algo que estava cada vez mais difícil encontrar nos gêneros que eu escutava: A diversificação.
    Por mais que o senso comum diga o contrário, o prog é extremamente acessível a tudo o que é tipo de gosto. Ao invés de se prender em algumas fórmulas tradicionais, cada banda é uma sonoridade diferente. Tem os sons mais pesados, os mais psicodélicos, os mais simples, ambiciosos… Enfim. Em alguma categoria você achará sua preferência! Como o Fernando disse acima, só não pode ter preguiça.

    Curtir

    1. Com certeza Caio, mas ai é que entra a questão, o que aconteceu nos anos 70 foi uma aberração, a exposição das bandas naquela época foi anormal. O que temos hoje em dia seria o normal para um estilo de música sem apelo comercial. Pelo menos é o que eu acho 🙂

      Curtir

    2. Sim Caio, a mídia taxou o progressivo de “antiquado” desde a ascenção do punk, e dali em diante tratou o gênero com mãos de ferro. Lembro de ler absurdos em revistas como ShowBizz, sempre massacrando artistas que tinham algum vínculo com o progressivo, enquanto qualquer bobagem indie era tratada como se fosse a volta do Cristo.

      Mas agora que o mercado mudou, com uma segmentação de gêneros e o acesso mais fácil à tantas obras, esse preconceito não faz mais o maior sentido.

      Curtir

  3. Mais uma vez belíssimo texto Rafael!

    Não lembro de ter me feito essa pergunta, mas quantas e quantas vezes me fizeram a famosa “que estilo de música você ouve?” pergunta, e ao responder Rock Progressivo recebi aquele famoso olhar transviado de quem não entendeu a resposta rs

    A verdade é que toda a vez que eu me pergunto sobre o tema a resposta geralmente não é tão filosófica quanto a tua, geralmente me sai um: “Porque? Porque Yes, Porque Pink Floyd, Porque Gentle Giant, Porque é foda pra caralho” hahaha

    Eu ainda acho que tem a ver com aquele momento decisivo na vida de um amanta de música, aquele momento que algo em alguma banda faz com que o gatilho seja acionado e você vá atrás de outros artistas ‘parecidos’. Eu ouço vários outros estilos, mas sempre acabo voltando ao Prog, porque?…

    E a resposta é sempre a mesma: “Porque é foda demais, Porque Genesis, Porque Renaissance, Porque Alan Pasons Project, Porque Rush, Porque Kansas….’ rs

    Curtir

    1. Verdade Diego, taí um estilo no qual a gente sempre retorna. O nível desses trabalhos é muito alto, tanto conceitualmente quanto musicalmente. E são obras que inspiram, não são datadas. Elas falam por si, nem é necessário um texto enorme quanto o meu para convencer alguém, rsrsrsrs, basta dar o play no som! Abração meu caro!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s