Resenha: Exquirla – Para Quienes Aún Viven (2017)


Por Nathan

Artist: Exquirla
Disco: Para Quienes Aún Viven
Data de lançamento: 17 de Fevereiro de 2017
Selo: Superball Music
Tempo total: 55:22
Disponível em: CD, LP & Digital

Resenha:

O pós-rock é um gênero muito complicado. A começar pela sua definição. Nascido no fim dos anos 80 e consolidado no começo dos 90 por grupos como Talk Talk, o gênero é constantemente criticado por sua previsibilidade.

E SE?

Muitos conjuntos já tentaram explorar o pós-rock usando ideias mirabolantes. Algumas poucas até foram bem aceitas. Apesar de eu achar insuportável, não posso negar a popularidade do Swans.

O Exquirla surgiu justamente como mais uma dessas ideias mirabolantes, em que certamente os mais céticos rechaçariam na hora, os mais ponderados tentariam convencê-los de que não é bem assim, e só os mais lunáticos levariam o projeto adiante.
Ainda bem que existem os lunáticos.

“O Exquirla conseguiu, a partir da fusão de dois gêneros já bem saturados, o flamenco e o pós-rock, criar algo totalmente novo. Foi uma mistura perigosa e não estou certo se funcionou, só estou certo que provocou. E isso já é algo bem relevante.”

A FUSÃO DE SEVILHA

Nas terras espanholas e no underground de Sevilha, o conjunto Toundra conseguiu atingir uma relevância memorável. Ainda mais porque estamos falando de um grupo que faz uma música exclusivamente instrumental e fica longe dos eixos mais populares da música.
Foram quatro álbuns de estúdio e boas recepções.

Só que os espanhóis quiseram algo a mais, e foram atrás de um vocalista. O escolhido foi Niño de Elche, conhecido localmente por trabalhos como poeta e músico de flamenco.

O resultado é um instrumental tipicamente voltado ao pós-rock, com todos os seus vícios e virtudes, somado a um vocal único, não necessariamente agradável, mas que contrasta muito bem com os timbres e texturas.

Imagem do clipe Un hombre, uma síntese do Exquirla.

 

UMA IMAGEM

Muitas vezes uma imagem vale mais do que mil palavras. E também vale mais do que mil canções.
Talvez a melhor definição de toda essa loucura que é o Exquirla, esteja no clipe de Un Hombre” (assista no final da resenha).

À medida que a canção vai avançando, um quadro vai sendo pintado na parede.
No cenário, há uma mistura de sentimentos. Desde imagens belas, atravessadas por grandes abstrações, até cenas difusas e perturbadoras. O escorrimento da tinta gera um desconforto, e a imprecisão causa uma curiosidade em tentar adivinhar o próximo passo.

A descrição dessa imagem é a exata definição da sonoridade dos caras.
São momentos calmos e belos, quase bucólicos, como a introdução de “Destruidnos Juntos”, contra-atacados por momentos obscuros e agitados.
E, assim como na imagem, você vê a beleza, mas também vê agonia e desconforto.

O CONTEXTO

Os temas abordados pelo conjunto fazem jus à densidade de “Para Quienes Aún Viven”. Há uma referência clara à obra do poeta Enrique Falcón, famoso por seu realismo crítico e literatura ativista: “Bem aventuradas essas mãos/ Essas clavículas em passo incerto pelos degraus/ Doloridas do meu corpo branco”.

Há um estado de inconformismo, de indiretas bem diretas para (principalmente) o continente europeu e a sua total apatia quanto questões políticas e sociais.
Por exemplo, é impossível ouvir “Europa Muda” e não se lembrar da crise migratória. Uma Europa que grita, mas apenas para si mesma: “Cemitério branco aonde suas canções podem acabar se afogando em um sonho”.

DIFICULDADES

A maior dificuldade foi superada… Era conseguir criar um disco de pós-rock sem soar como tudo que já foi feito antes. O Exquirla conseguiu essa façanha com louvor.

A adição do flamenco como elemento vocal trouxe novos ares, mas também novas dificuldades.
O vocal de Niño de Elche é usado muitas vezes como um instrumento auxiliar, e isso compromete a melodia por ficar meio exagerado. O som muitas vezes fica desconfortável, e essa não é minha praia.

O novo quinteto, apesar de já experientes na música, esbarra na inexperiência e imaturidade ao desbravar um estilo completamente distinto.
É um efeito colateral aceitável e comum aos pioneiros, só que não pode ser relevado. É o preço de ser pós-previsível.

Quem sabe um próximo trabalho não nos traga um som mais lapidado e bem acabado? Aguardemos com ansiedade, porque o potencial disso aqui é inegável.

Porque sé que desconoces; la costa entre el infierno en los estados de sitio.
—————————————-

FICHA TÉCNICA:
Artista: Exquirla
Ano: 2017
Álbum: Para quienes aún viven
Gênero: Post-Rock
País: Espanha
Integrantes: Alberto Tocados (baixo), Álex Pérez (bateria), David López (guitarra), Esteban Girón (guitarra), Niño de Elche (vocal).

MÚSICAS:
1. Canción de E
2. Destruidnos juntos
3. Hijos de la rabia
4. Interrogatorio
5. El grito del padre
6. Contigo
7. Un hombre
8. Europa muda

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s