Resenha: Animals As Leaders – The Madness Of Many (2016)


Por Lucas Scaliza
Originalmente publicado no Escuta Essa Review

Artist: Animals As Leaders
Disco: The Madness Of Many
Data de lançamento: 11 de Novembro de 2016
Selo: Sumerian
Tempo total: 52:56
Disponível em: CD, LP & Digital

Resenha:

Ainda bastante técnico, mas sempre borrando as fronteiras do fusion, metal e prog

Das bandas de rock e metal instrumental, o Animals As Leaders se destaca pela proposta extremamente técnica, pelo uso da guitarra de oito cordas, os flertes com o jazz e pelos riffs djent que toda a comunidade metaleira espera ver de Tosin Abasi, o talentoso músico americano que comanda a banda.

O disco mostra bem todas as vertentes da banda, indo do melódio ao arrastado com muito graça, explorando harmonias sofisticadas e, logo depois, com distorção pesada e riffs poderosos, mostra dissonância. Como “Arithmophobia” deixa claro desde o princípio, trata-se de uma música instrumental bastante cerebral. As mudanças de compasso são intrigantes, de deixar qualquer aficionado com a marcação do tempo feliz ao ponto de sentir-se desafiado.

A dupla de guitarristas Abasi e Javier Reyes estão mais técnicos do que nunca. Chegam a soar frios em alguns pontos – e aí se aproximam bastante do estilo do Meshuggah, mas sem os guturais. Mas são espertos o suficiente para saberem que alternar entre riffs puramente técnicos e passagens mais harmônicas quebra o gelo da técnica e entrega uma abordagem guitarrística mais emocional. Embora seja linda a técnica de guitarra de Abasi e Reyes, ela precisa estar a serviço da composição, não do show off. Por isso as constantes variações no humor e na pegada são importantes. O solo de “Cognitive Contortions” lembra bastante Steve Vai. Já o de “Arithmophobia” é mais na onda de John Petrucci. E os flertes mais jazzísticos soam como uma versão mais sisuda e encorpada do The Aristocrats, como na ótima “The Glass Bridge”.

animals_as_leaders_2016

O espaço do baixo está sempre garantido. Em faixas como “Inner Assassin” o instrumento segura as pontas e mantém o ritmo constante da música. Em “Private Visions Of The World” e “Ectogenesis” o baixo mostra seus riffs e sua capacidade de ser um instrumento solo de destaque, emulando bastante o estilo progressivo de Evan Brewer. Já o baterista Matt Garstka tem oportunidade de mostrar que é um cara flexível. Bate no kit tanto como um músico de metal (forte e determinado) como o baterista mais técnico que precisa acompanhar um guitarrista solo. Essas vertentes estão em “Transcentience”. Mas o que chama a atenção mesmo é o lado mais prog e fusion, com fraseados de tempos alternados – como em “Backpfeifengesicht”, mas é o lado que Garstka mais exercita ao longo do álbum, podendo ser ouvido em praticamente todas as faixas.

Há espaço também para Abasi e Reyes mostrarem como transportam bem o estilo complexo de sua música para violões. “The Brain Dance” e “Apeirophobia” é o lado mais leve do trio e um dos mais interessantes de ‘The Madness Of Many’. A primeira é melodiosa e até tem um momento em que se rende aos riffs típicos da banda, mas brilha mesmo quando dá espaço para os arpejos rebuscados e harmônicos. O solo de Abasi com a guitarra é o melhor do disco e conecta-se sem esforço e sem pressão com o ouvinte. Já a segunda é muito mais flamenca. Ainda mantém alguns maneirismos da banda, mas prioriza as emoções. A falta de teclados, bateria e baixo acaba ressaltando a alma da composição, sem distrações.

Embora continue mantendo a banda em um patamar bastante elevado seja na música instrumental ou na progressiva, ‘The Madness Of Many’ não é o melhor disco do grupo. ‘The Joy Of Motion’ (2014) parece ainda representar um pico bastante alto do trio e deve ser conferido (caso ainda não conheça). Mesmo assim, o novo álbum do Animals As Leaders é um tipo de música bastante interessante entre o metal, o fusion e instrumental que não se limita a nenhuma dessas fronteiras, sempre mostrando que dá para ir mais fundo, sem perder a musicalidade e nem chafurdar no djent e esquecer que dá para fazer muito mais com as oito cordas de uma guitarra.

—————————————-

FICHA TÉCNICA:
Artista: Animals As Leaders
Ano: 2016
Álbum: The Madness Of Many
Gênero: Metal Progressivo / Djent / Jazz Fusion
País: EUA
Músicos: Tosin Abasi (guitarra), Javier Reyes (guitarra), Matt Garstka (bateria)

 

MÚSICAS:
1. Arithmophobia 6:01
2. Ectogenesis 4:56
3. Cognitive Contortions 4:29
4. Inner Assassins 5:30
5. Private Visions of the World 4:57
6. Backpfeifengesicht 4:27
7. Transcentience 5:32
8. The Glass Bridge 5:04
9. The Brain Dance 7:01
10. Aepirophobia 4:59

 

Compre o disco: CD / LPDigital

 

Ouça
Animals As Leaders links:
Site
Anúncios

Autor: Lucas Scaliza

Jornalista e fotógrafo.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s