Matéria: 5 Discos Pra Conhecer o King Crimson


Por Marcelo Lopes Vieira
Originalmente publicado no Gaveta de Bagunça

É inegável que o King Crimson se desenvolve em torno do gênio Robert Fripp, que já se mostrava ousado e alternativo, muito antes do termo alternativo ser construído como gênero roqueiro.

O músico influenciou nomes que vão de  Kurt Cobain  a Mikael Åkerfeldt (basta ver os mais recentes álbuns do Opeth), além de participar de discos de David Bowie e Peter Gabriel. Seu King Crimson é uma banda reverenciada  pelas estrelas neoprogressivas contemporâneas do Tool e The Mars Volta, muito por uma discografia de alta qualidade, principalmente em sua primeira fase.

O que a banda criou, à partir do clássico “In the Court of the Crimson King” (1969) até “Red” (1974), não tem paralelo dentro da música progressiva, em volume e qualidade. Sempre ousado, inventivo, inteligente, exploratório e experimental, o King Crimson nunca se privou de estar na vanguarda da música moderna.

Por isso, elegemos cinco, dentre as quase duas dezenas de álbuns lançados pela banda, para o leitor se iniciar no mundo musical do King Crimson.

1) In the Court Of The Crimson King (1969)

Esse álbum é tão emblemático que costuma ser citado como o mais importante da história do Rock Progressivo. Exagero ou não, a verdade é que ele é um divisor de águas dentro dos primórdios do estilo, situando-se na vanguarda do estilo naqueles dias, criando praticamente uma cartilha para a confecção do Progressivo que seria feito por Yes, Pink Floyd e Genesis.  O épico riff de “21st Century Schizoid Man” mostra claramente a inventividade de Robert Fripp que casava perfeitamente com a voz de Greg Lake, nome que brilha na bela e chorosa “Epitaph”, versando melancolicamente sobre o destino. A ousadia deste trabalho advém da variação entre arabescos folk, improvisos jazzísticos, flautas e bateria apocalíptica, combinando Heavy Rock, Progressivo e Psicodelia.

2) Larks’ Tongues In Aspic (1973)

Neste álbum o King Crimson muda o rumo de sua música, em tonalidades mais experimentais e pesadas, saindo do formato fusion/progressivo, para algo mais Avant-Garde, com guitarras dissonantes e andamentos “matemáticos” preciosos, mesclando o tradicional jazz fusion, dos álbuns “Lizard” (1970) e “Islands” (1971), com ambient, Heavy Rock (como nos riffs sabáticos da faixa de abertura), flamejante sabor jam-session, melodias cadenciadas, pontuais momentos épicos e clima de trilha sonora de filme de terror. Só as duas partes da faixa título, abrindo e fechando o trabalho já lhe valeria o posto de melhor trabalho do King Crimson, mas além de faixas brilhantes como “Book of Saturday” “The Talking Drum”, temos a melhor formação da história da banda em um álbum, com o gênio Robert Fripp nas guitarras, John Wetton no baixo e vocais, David Cross na violino, viola e mellotron, Bill Bruford na bateria e Jamie Muir na percussão. Certamente um dos cinco melhores álbuns da história do Rock Progressivo.

3) Starless And Bible Black (1974)

Quiçá o mais obscuro álbum da discografia do King Crimson, “Starless and Bible Black”continua a escalada de inventividade , dedicação e exploração dentro da música progressiva, mas de modo mais melancólico e sombrio, estudando as imperfeições da música, e a incompletude da geometria musical assimétrica com uma habilidade técnica assombrosa, combinada a uma climatização eletrônica emocionante, enquanto a melodia advém das linhas de violino, viola, guitarra e mellotron“The Night Watch” é uma das mais belas e negras peças que o Rock Progressivo forjou, seguida de perto dentro deste trabalho por “Lament”, “Fracture”, “The Mincer” e a faixa-título. Da formação que gravou “Larks’ Tongues in Aspic” (1973) “só” tivemos a baixa de Jamie Muir, mostrando, indubitavelmente, que esta era a melhor fase da banda, a ser confirmada no próximo trabalho, o elegante “Red” (1974)

4) Red (1974)

Ao contrário da assimetria do trabalho anterior, “Red” é mais coeso e elegante, num puro exercício de criatividade em cada um de seus detalhes. Um trabalho inteligente, altamente progressivo e variado, que impactou nomes das gerações posteriores que vão de Kurt Cobain (há quem diga que este álbum foi a grande influência do grunge do Nirvana [!?!]) a Mikael Åkerfeldt (do Opeth). “Starless”, a faixa que dá acordes finais a esta peça é uma das grandes preciosidades da história do rock e encerra uma das maiores formações que a música progressiva viu unida, que, mesmo desfalcada de David Cross, manteve a alta classe em conluio à ousadia técnica. Após este álbum, Robert Fripp encerrou as atividades da banda, que se silenciaria por sete anos. Se este fosse seu capítulo final, seria em grande estilo e uma das grandes saídas de cena da música moderna. Todavia, a banda voltaria nos anos 1980 ainda relevante e com sonoridade contextualizada.

5) Discipline (1981) 

Os sete anos que o King Crimson ficou fora de cena mudaram o mundo música. Neste ínterim, a música progressiva se tornou datada, o punk surgiu com força e se ramificou na New Wave, que abarcava nomes que iam de Duran Duran ao Talking Heads. E é inegável que aqui, nestas faixas, existe toda a picardia progressiva do King Crimson mergulhada em influências New Wave, principalmente do Talking Heads, que trazia uma proposta musical interessantíssima dentro da comercialidade e acessibilidade do gênero. Nas mãos de Fripp, Brufford e cia, a New Wave se transmutou em Art Rock, muito pela parcela de Tony Levin (baixista) e Adrian Belew (vocais e guitarras) que completam a formação da banda, dando todo o arcabouço técnico para a experimentação rítmica que Fripp tinha em mente, mas encaixada na tradição musical do King Crimson.

Autor: Marcelo Lopes Vieira

Matemático. Professor universitário que ama tanto os sistemas dinâmicos quanto a musica, a literatura, o cinema e a história comum ou oculta do Mundo!

2 comentários em “Matéria: 5 Discos Pra Conhecer o King Crimson”

    1. Obrigado Fernando.
      A proposta, na verdade, é indicar cinco discos que dessem um panorama da discografia da banda, não necessariamente escolher os melhores discos, por isso a inclusão de Discipline.
      Ele é o retrato de uma época da banda que no caso de Lizard e In Wake of Poseidon, acredito estar melhor representada por In the Court Of The Crimson King…

      Abraços!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s