Resenha: Duello Madre – Duello Madre (1973)


Por Diego Camargo

Nota:

Disco: Duello Madre
Ano: 1973
Selo: Produttori Associati

 

Faixas:
01. Aquile Blu – 6’59
02. Momento – 5’30
03. Otto – 6’00
04. Madre – 10’30
05. Duello – 7’59

Integrantes:
Marco Zoccheddu – guitarras, violões e voz na faixa 1
Pippo Trentin – saxofone e flauta
Bob Callero – baixo
Dede Lo Previte – bateria

Resenha:

01. Aquile Blu
Uma série de casos misteriosos, é esse o pensamento ouvindo essa introdução, meio arquivo X sabem? Ou então um filme de suspense, daqueles que dá medo.
O vocal é interessantíssimo.
Linha de baixo de Bob Callero quase hipnótica, acompanhada de perto pela bateria de Dede Lo Previte e a guitarra seminal de MarcoZoccheddu.
Pouco mais de 3 minutos e meio e o sax de Pippo Trentin entra já com a sola no peito. (risos)
Muito de improvisação e uma sensação free-jazz.

02. Momento
Uma continuação, um tanto turbinada, excelente a linha de bateria.
O sax e a guitarra trabalhando em conjunto é outra coisa muito interessante também.
Pouco antes dos 2 minutos a face acústica se apresenta de maneira saudosista e em belas melodias, inclusive com a flauta em papel de destaque, melódico como dever ser (ou não).
E volta o tema inicial, que é muito interessante mesmo.

03. Otto
Se não é do meu maior agrado o estilo dos caras, eu sei reconhecer quando a galera toca.
Eles tem um estilo de uma banda que eu postei antes o Napoli Centrale, também italiana.
Interessante mistura de percussão, baixo hipnótico, guitarra e sax em comunhão de bens.

04. Madre
Estruturas musicais bem parecidas de uma música pra outra.
Jazz-Fusion.
Aos 3 minutos a música muda totalmente, uma coisa com celesta e baixo grave numa quase canção-de-ninar.
Solo de guitarra improvisado até os 6 minutos, ai então tudo muda de novo para um tema mais alegre e cheio de saxofone.
O tema se estende por 10 minutos em seus solos e improvisos, destaque pra cozinha da banda.
Algumas vocalizações no fim também.

05. Duello
Linha de baixo altamente recomendada. Bateria técnica, muito técnica. Sax estridente.
E claro, estranhas guitarras.
Baixo e bateria seguem em frente enquanto a guitarra tem espaço suficiente pra ser altamente virtuosa e o sax acompanha tudo.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s