Resenha: Gérson Werlang – Memórias Do Tempo (2008)


Por Diego Camargo

Nota:  

Disco: Memórias Do Tempo
Ano: 2008
Selo: Rock Symphony/Musea

Faixas:
1. Invocação – 3’44
2. Memórias Do Tempo – 10’53
3. Colheita De Inverno – 2’46
4. Vozes Outonais – 3’05
5. Rosa Mística – 12’30
6. Março – 1’28
7. Ao Pouco Que Resta – 4’03
8. Saudades Da Serra – 6’00
9. Do Exílio Voluntário – 1’57
10. Epitáfio – 1’43

Integrantes:
Gérson Werlang – voz/guitarras/violão/teclados na faixa 10 e programações
Rodrigo Bernardon – bateria nas faixas 1,2,5 e 8/percussão e glockenspiel
Thiago ‘Billy’ Rezende – baixo nas faixas 1,2,5 e 8
Samuca Quadros – teclados nas faixas 1,2,5 e 8
Eliane Sommer – voz nas faixas 2,5 e 8
Iva Giracca – violino nas faixas 2 e 5
Sávio Werlang – gaita na faixa 2 e teclados na faixa 5
Déborah Rosa – voz nas faixas 3,4 e 7
Gérson Rios Leme – programações nas faixas 3,4,6,7 e 9

Resenha:
01. Invocação
Aqui vamos nós à viagem sonora de Gérson Werlang, o músico gaúcho é bem conhecido daqueles ligados nos bons sons brasileiros, o músico integra a banda Poços & Nuvens com dois álbuns lançados.
Antes de falar sobre a música de Gérson preciso falar sobre o trabalho de Gustavo Sazes, responsável pela arte gráfica do CD e também do site. Está impecável! Aqueles mais ligados à música e web também já devem conhecer o trabalho de Gustavo.
A 1ª faixa do álbum nos brinda com um bonito instrumental com traços da música nativista gaúcha e com ótimos teclados de Samuca Quadros.

02. Memórias Do Tempo
Assim como uma das famosas canções de John Lennon ‘(Just Like) Starting Over’, ‘Memórias Do Tempo’ abre com pequenos sinos, o som acústico é bonito e calmo, logo mais belo com os vocais de Eliane Sommer.
O vocal de Gérson pode soar estranho em um primeiro momento, mas no segundo verso já somos arrebatados por sua melódica interpretação.
Os acordes dissonantes de cada fim de frase, o peso na medida certa e as ótimas letras de Gérson me fazem sentir como se estivesse em casa, sentado na frente do fogão à lenha, fato que só é conhecido quem já morou/nasceu no sul, ou já viveu em sítio.
Acho que essa é a maior sensação ao ouvir essa canção, a de estar em casa.

03. Colheita De Inverno
Dessa vez os vocais são divididos com a bonita voz de Déborah Rosa. Ao fundo uma constante guitarra e uma nota ao piano. Bela canção.

04. Vozes Outonais
Outra vez Déborah divide os vocais com Gérson, uma belíssima letra é embalada por programações de piano e bateria de Gerson Rio Lemes, melhores do que muitos instrumentos reais que ando ouvindo.

05. Rosa Mística
Esse tema é divídido em 5 partes e pra mim é a melhor faixa do álbum.
Introdução forte com a bateria de Rodrigo Bernandon e o baixo de Thiago ‘Billy’ Rezende. Os violinos de Iva Giracca também brilham na música.
Depois do 1º verso uma dupla de guitarras em uníssono é ouvida, Gérson construiu muito bem as frases aqui. Mais uma vez quem divide os vocais com Gérson é Eliane.
No meio da música uma ótima quebra de ritmo e uma grande frase de guitarra acompanhada muito bem pela bateria.
A dupla de teclados Samuca Quadros e Sávio Werlang (responsável pela gaita em algumas faixas também) se saiu muito bem.
Com certeza o meu destaque do disco, ainda mais com a acelerada na parte final. Clássico!

06. Março
‘Março’ tem cara de peça clássica para violão, mas o vocal de Gérson dá um outro enfoque na música. E mais uma vez parabéns para Gerson Rios Leme que fez com que as programações usadas no disco não tornassem o trabalho frio e sem sabor.

07. Ao Pouco Que Resta
Acabo falar bem das programações e acabo me queimando.
Nessa faixa a programação me pareceu equivocada e um tanto sem graça.
Justo uma faixa que tem como letra um bonito poema de Heitor Freire Pires.

08. Saudades Da Terra
Uma bravata sobre a saudade de casa, bem conduzida por bateria, baixo, guitarra, teclados e os vocais em dueto entre Gérson e Eliane.

09. Do Exílio Voluntário
Me parece que o único momento fraco nas composições ‘computadorizadas’ do disco foi ‘Ao Pouco Que Resta’, porque nesta faixa o poema de Lara De Lemos foi belissimamente musicado pela dupla de Gersons.

10. Epitáfio
A última música do disco me lembrou bastante a idéia usada pelo Dream Theater em se disco Metropolis Pt.2 – Scenes From A Memory (1999), onde o personagem da história anda até sua casa abre a porta e liga a televisão, nesse caso o som dos falantes termina com um curto tema.

Junto com Cross (2008) da banda russa Little Tragedies foi o melhor lançamento do ano passado. Sem sombra de dúvida.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s