Jack Yello – Thorns Of Anger (Resenha Diego Camargo)


Resenha: Diego Camargo

Nota:  

Banda: Jack Yello
Disco: Thorns Of Anger
Ano: 2003
Selo: Progrock Records
Tipo: Estúdio

Faixas:
1. Inspiring Confidence – 9’56
2. Shadows Of A Nightingale – 7’16
3. Game Show – 6’28
4. The Unknown Soldier – 7’43
5. The Old Warrior – 4’37
6. The Bridge – 9’00
7. Before – 5’59
8. Igraine – 6’44
9. Take My Heart – 9’27
10. Emotional Suicide – 9’22
11. Faces To Faces – 1’35

Formação:
Dirk Bovensiepen – voz
Lutz Grosser – guitarras e vocais
Uwe Ziegler – teclados e vocais
Dirk Hülpert – baixo e vocais
Uwe Poprawa – bateria

Vídeos do VodPod não estão mais disponíveis.

Resenha:
1. Inspiring Confidence (Parte I)
Vocais fortes, diria com influência medieval, quando o instrumental chega é um tanto quanto Pink Floyd da fase A Momentary Lapse Of Reason (1987), com muito solo de guitarra e base ‘reta’.
Mas quando os vocais de Dirk Bovensiepen entram pra valer a banda já está mais estranha e quebrada do que disco ruim na mão de quem tem bom gosto (risos).
E como eu disse ali na descrição a banda tem grande influência de Marillion.
Lá pelo 6 minutos um instigante riff de guitarra dá as caras e comanda a peça, seguido de perto pelos teclados e pianos.
As várias camadas vão se ‘amontoando’ até chegar numa bonita parte com o piano de Uwe Ziegler e o vocal de Dirk. A longa faixa tem vários momentos muito interessantes até o fim.

2. Shadows Of A Nightingale (Parte II)
Cheia de vigor as guitarras de Lutz Grosser já chegam com melodias cruciais. O baixo de Dirk Hülpert apresenta uma linha excelente, bem complexa.
Os vocais são Marillion sem discussão, tem o seu brilho natural, mas é inegável como é parecido.
Como é tradicional nesse estilo, a banda tem refrões marcantes e melodias acessíveis até certo ponto.
No final a coisa desembarca num tema mais direto com a bateria de Uwe Poprawa levando um ritmo mais rápido.

3. Game Show
Muito interessante o teclado inicial contrastando com as baquetas fazendo o papel daqueles sons em filmes japoneses. Ao redor de tudo isso uma voz robótica fazendo a contagem regressiva.
O mais interessante é que por aqui a coisa é bem Dream Theater mesmo, um tanto pesado, cheio de riffs gordos e timbres interessantes. Quando a parte vocal começa a música dá uma acalmada.
O refrão é bem feito, com vocais de apoio muito bons de Lutz, Uwe e Dirk.
Pouco depois dos 4 minutos a parte instrumental chega e um dos destaques claro é o baixo de Dirk, sempre pulsante. Outra coisa bem interessante são as variações entre teclados, baixo e bateria.
E os vocais do final são um barato!

4. The Unknown Soldier
Teclados que lembram Deep Purple bem no começo mas com melodias bonitas, não só o peso tradicional de John Lord, o baixo tece uma bonita melodia solo, e em seguida é a vez dos sintetizadores, tudo em ritmo calmo e sereno.
Momentos de angústia entre os versos com o refrão bem marcante, com melodia marcante e vocais espalhados.
Baixo e guitarra trabalham bem em conjunto na construção dos riffs. Tudo levemente carregado pela onipresente bateria de Uwe.
Vocais bem trabalhados e bem parecidos com os do Phish, que por sua vez tem uma grande inspiração na maneira de cantar de Peter Gabriel na época do Genesis.
Final bem bacana, todo quebrado, mas com o vocal seguindo a mesma linha melódica.

5. The Old Warrior (Parte V)
Bom, esse começo é batalha campal total, os caras da banda dizem que não usaram samples, difícil crer, mas não impossível.
A faixa em si é bem pesada, inclusive no vocal.
No meio a banda encarna um tema medieval com violão e cravo.
A partir dai o tema é instrumental com um riff central bem forte e muito sintetizador solando. Bem no estilo Dream Theater de Images & Words (1992) e Awake (1994).

6. The Bridge
O violão do começo quase engana!
A banda na verdade encara uma melodia ora pesada, ora quebrada até quase 2 minutos de canção.
Aí a melodia volta a emperrar, pequenos detalhes de teclados ao fundo, daqueles que você nem sempre dá a devida atenção mas se tirarmos dali faz uma falta.
Quase 3 minutos, volta o violão em uma bonita melodia e os vocais são bem ‘encenados’, o Neo Prog é assim mesmo em se tratando de vocais, eles são quase que atores interpretando um papel, coisa que falta em muita banda por aí.
6 minutos, bateria marcial, sintetizadores acompanhando, tudo num tema meio apocalíptico.
O fim leva tudo pro lado apocalíptico, mas com a parte final mais pesada.

7. Before
O vocal inicial quase entrando em outros estilos (risos). O baixo comanda, mas de maneira diferente, quase numa Disco Music Prog.
Mas a faixa na verdade é bem pesada.
Seus riffs e teclados entram em comunhão do meio pra frente.

8. Igraine (Parte IV)
Teclados etéreos e em ascendência. Quase como uma cascata de som dando vazão a uma bela balada Neo Prog.
Aí entra o refrão mais pesado e seus teclados bem evocativos logo após. Aos 2 minutos volta tudo. Repetido duas vezes.
Solo de guitarra? Tem sim senhor! Ora virtuoso, ora melódico.
Final totalmente diferente do resto da faixa.

9. Take My Heart
Esse vocal meio ‘The Lion Sleeps Tonight’ é meio estranho, e, não sei se de propósito, parece desafinado (risos).
Algumas guitarras jazz aqui, baterias cheias de viradas e bumbos acolá.
E climas, que é o que as bandas de Neo Prog fazem, e muito bem, muitos climas durantes todo o tempo.
O teclado final é um barato.

10. Emotional Suicide (Take My Heart Parte I)
Essa faixa serve de final pra faixa 9, todo um clima instrumental variado com temas ‘tecladísticos’ (risos). E depois de algum tempo se torna ‘guitarrístico’ também.
O final é deveras interessante!

11. Faces To Faces (Outro)
Uma linda balada ao piano! Muito melódica e um bom final.

O Neo Prog é um sub-gênero complicado, ou você ama ou odeia, eu ainda consigo achar um meio termo (risos).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s