Resenha: Mastodon – Cold Dark Place (2017)


Por Lucas Scaliza
Originalmente publicado no Escuta Essa Review

Artist: Mastodon
Disco: Cold Dark Place
Data de lançamento: 22 de Setembro de 2017
Selo: Reprise
Tempo total: 21:50
Disponível em: CD, LP & Digital Continue Lendo “Resenha: Mastodon – Cold Dark Place (2017)”

Anúncios

Resenha: Rush – 2112 [40th Anniversary] (2016)


Por Mairon Machado
Originalmente publicado na Consultoria Do Rock

Artist: Rush
Disco: 2112 (40 Annyversay Edition)
Data de lançamento: 16 de Dezembro de 2016
Selo: Anthem Records
Tempo total: 83:46 (CDs)
Disponível em: CD, LP & Digital
Continue Lendo “Resenha: Rush – 2112 [40th Anniversary] (2016)”

Resenha: Universal Totem Orchestra – Mathematical Mother (2016)


Por Nathan

Artist: Universal Totem Orchestra
Disco: Mathematical Mother
Data de lançamento: 16 de Dezembro de 2016
Selo: Black Widow Records
Tempo total: 52:44
Disponível em: CD & Digital Continue Lendo “Resenha: Universal Totem Orchestra – Mathematical Mother (2016)”

Resenha: Rikard Sjöblom’s Gungfly – On Her Journey To The Sun (2017)


Por Mairon Machado
Originalmente publicado na Consultoria Do Rock

Artist: Rikard Sjöblom’s Gungfly
Disco: On Her Journey To The Sun
Data de lançamento: 19 de Maio de 2017
Selo: InsideOut
Tempo total: 74:31
Disponível em: CD, LP & Digital
Continue Lendo “Resenha: Rikard Sjöblom’s Gungfly – On Her Journey To The Sun (2017)”

Resenha: Lyrian – The Jester’s Quest In The City Of Glass (2016)



Por Nathan

Originalmente publicado no Rock Em Balboa

Artist: Lyrian
Disco: The Jester’s Quest In The City Of Glass
Data de lançamento: 1 de Abril  de 2016
Selo: Independente
Tempo total: 77:13
Disponível em: CD & Digital Continue Lendo “Resenha: Lyrian – The Jester’s Quest In The City Of Glass (2016)”

Resenha: Marco Minnemann – Schattenspiel (2016)


Por Gustavo Souza Lopes
Originalmente publicado no Blog do Gusta

Experimentação e virtuosismo na bateria

Mais um lançamento solo para o ano de 2016 do baterista virtuoso alemão Marco Minnemann, ‘Schattenspiel’ segue a mesma linha dos álbuns instrumentais do baterista e de artistas do mesmo calibre: dezenas de trechos improvisados, experimentação ao extremo com alguns momentos organizados. Um prato cheio para os amantes do gênero, talvez não tão acessível mesmo para os ouvidos mais desafiadores.
Continue Lendo “Resenha: Marco Minnemann – Schattenspiel (2016)”