Gentle Giant: Free Hand E In’terview São Relançados Em CD/DVD & LP


Aos poucos a discografia da banda inglesa  Gentle Giant vai sendo relançada. Em Setembro passado outros dois discos do grupo já foram relançados, foram eles Three Friends (1972) e Octopus (1972) (leia AQUI), agora chegou a vez dos discos Free Hand (1975) e In’terview (1976).

Ambos discos chegam as lojas em versões remasterizadas em CD, versões quadrafônicas em DVD e claro, como já é padrão, novas versões em LP 180g em edição limitada tudo isso no dia 27 de Fevereiro.

Todos esses relançamentos (e outros que estão por vir) se devem ao fato de o selo que cuida da música do Gentle Giant pertence a própria banda, o Alucard Music, depois de conseguirem os direitos novamente.

Uma amostra aos novatos do som da banda está logo abaixo com a apresentação ao vivo no programa de tv Sight & Sound em 1978 com a faixa ‘Free Hand’, do disco homônimo de 1975:

As novas versões dos discos já podem ser encomendadas NESSE LINK.

Site
Facebook

Leia outras notícias sobre o Gentle Giant

O Que Você Sabe Sobre… John Weathers?


Gentle Giant com John Weathers no centro

ATENÇÃO! A matéria abaixo foi publicada originalmente no site da Modern Drummer no final de Setembro AQUI. O Progshine apenas fez a tradução da matéria na íntegra para os leitores brasileiros. Aproveitem!

Por Will Romano
Tradução Diego Camargo

John Weathers é um dos heróis esquecidos da era de ouro do Rock Progressivo. A habilidade de Weathers em manter um ritmo constante e denso que se desenvolvia ao seu redor fez com que as composições complicadas de uma das bandas mais originais do cenário tivessem uma sólida base. Trata-se do Gentle Giant.

Gentle Giant sempre esteve ligado a uma forma musical mais séria como a música litúrgica européia, a Renascença, a música medieval e a música clássica, uma grande parte da música da banda sempre esteve ligada ao rítmo nas suas variadas formas, de intrincadas melodias em contraponto, dedilhados em tempos estranhos à efeitos sonoros editados como os vidros sendo estilhaçados que criavam um padrão durante a introdução de ‘The Runaway’ do disco In A Glass House (1973).

Weathers habilmente executava padrões complexos nas composições do grupo, como nos esforços estelares de discos como The Power And The Glory (1974), Free Hand (1975), In’terview (1976) e no ao vivo Playing The Fool (1977), discos estes que foram remasterizados e relançados em CD e download através do selo da banda o Alucard. “Eu era um baterista de Soul e R&B”, diz Weather, 63 anos, diretamente da sua casa no País De Gales. “Eu sempre tentei priorizar a base da música. Se você floreia cada coisinha que surge numa música, acaba virando uma confusão.”

Há uma década atrás Weathers ficou chocado ao descobrir que estava perdendo algumas de suas funções motoras e não poderia mais tocar o bumbo da bateria. “Eu fui diagnosticado com Ataxia espinocerebelar (spinocerebellar ataxia), é grego e significa ‘andar como se estivesse bêbado’ ou algo assim, ” ele continua. “Um dia eu fui tomar banho e percebi que uma perna sentia a água quente e a outra não. Sentia a água fria. Foi ai que eu percebi que tinha algo errado comigo.”

John Weathers em foto recente...

Mesmo que Weathers admita que não é mais o baterista que já foi um dia, não o exclua da música. Nos últimos anos ele tocou com a Wild Turkey, sua antiga banda e também se apresentou em 2005 em uma convenção do Gentle Giant em Quebec no Canadá com uma Roland HandSonic HPD-15, um pad de percussão para se tocar com as mãos, junto com os outros membros do grupo Gary Green (guitarra) e Kerry Minnear (teclados).

“A convenção do Gentle Giant foi a primeira vez que eu vi aquele pad da Roland, eu inclusive peguei ele emprestado para aquele show,” diz Weathers. “Não é um kit de bateria completo, e eu estava apenas colocando as batidas na música, mas não esqueça que bateristas são como pugilistas. Eles são lutadores. Eles não lutam com outras pessoas, mas eles certamente batem muito em suas baterias em um palco.”

Tem sido com esse mesmo estilo ‘desligado’ que definiu o estilo de tocar de Weathers, que ele conduz sua carreira e vida. Nascido em Carmarthen, no País De Gales, ele foi seduzido logo cedo pela batida do rock ‘n’ roll e pelo skiffle britânico, isso inspirou John a “pegar agulhas de tricô e tocar em cadeiras de madeira, quando eu tinha 13,” até que ele ganhasse sua primeira bateria um ano depois. “Depois disso eu acabei me metendo com as pessoas erradas e ‘pegando carros emprestado’,” ele explica. “Não muito tempo depois, quando eu tinha 15, eu fugi de casa e fui viver com uns parentes em Liverpool.”

Não disposto a se render para a vida de crimes, Weathers começou a dedicar seu tempo para a bateria, tendo se apresentado com vários músicos de Liverpool, até que o pródigo percussionista resolveu voltar a Carmarthen e alcançou seu primeiro grande passo na carreira musical. “Eu já era profissional com 16,” ele relembra, “e acabei entrando numa banda chamada Eyes Of Blue que tinha ganho uma competição de música ‘beat’ da (revista) Melody Maker em 1966, o que nos levou a assinar um contrato com a (gravadora) Decca.” O tempo que Weathers esteve com a Eyes Of Blue, uma banda que se transformou de um conjunto soul para a psicodelia pop vigente na época, foi uma grande fundação para o trabalho posterior que faria com o Gentle Giant, que tinha evoluído de uma maneira similar ao Eyes Of Blue, vindos também da influência R&B/pop e que na época se chamavam Simon Dupree And The Big Sound.

Weather conheceu os irmãos Phil, Derek e Ray Shulman, e na época fazia parte do grupo Grease Band com o baixista Alan Spenner e o vocalista/guitarrista Henry McCullogh, ele se juntou ao Gentle Giant apenas temporariamente para a turnê americana de 1972. Ele iria substituir o baterista Malcolm Mortimore, que tinha quebrado os ossos da bacia, braços e pernas em um acidente de moto. Mortimore tinha uma visão mais jazzística para as músicas do Gentle Giant, Weathers se aprofundou na música da banda e aproveitando os seus talentos baseados no groove que aprendera nos anos de R&B e Merseybeat de Liverpool, foi rapidamente convidado a se juntar à banda permanentemente. “Eu tentava frasear o que eu achava ser importante e necessário para cada música, dessa forma o ouvinte não se perde dentro da canção,” Weather conta. “Essa foi uma das razões que me fez ser convidado para entrar na banda.”

Weathers não só começou a explorar novos ritmos mas também começou a dar maior prioridade a sua musicalidade, especialmente no palco. As deslumbrantes performances do Gentle Giant ao vivo eram lendárias, em parte pela habilidade de todos os músicos da banda tocarem mais de 1 instrumento. De fato, Weathers frequentemente tocava xilofone e violão, demonstrando a profundidade da competência técnica dentro da banda. “A mudança de instrumentos fazia parte do que era a banda, e era muito divertido,” ele diz. “Nós queríamos que as pessoas que nos assistiam se divertissem tanto quanto nós.”

Nos discos de estúdio da banda, especialmente em Octopus (1973) – o primeiro ‘grande’ passo do baterista no Gentle Giant, ele vislumbrava pela primeira vez a estranha e engenhosa versatilidade do grupo. “A música ‘River’ tinha 3 de nós tocando percussão nela – eu, o tecladista Kerry Minnear, que é graduado em percussão e o Gary Green, que começou na música como baterista, “Weathers conta. “E também traz uns sons estranhos que eu gravei através de um truque que eu aprendi. O que eu fiz foi conectar uma mangueira plástica na saída de ar de um dos tambores da bateria, um tom de 13′, e soprava através da mangueira. Dessa maneira, eu criei esse som com efeito ‘iô iô’ – a afinação da bateria subia e descia quando eu fazia as viradas.”

... e no palco nos anos 70 com o Gentle Giant

Conseguir os resultados que se queria no estúdio não era nada fácil. Weathers lembra das primeiras sessões de gravação como estressantes e exigentes. “Quando Ray Shulman chegou com ‘The Boys In The Band’ para o Octopus (1973), eu quase morri,”ele relembra. “Eu disse, ‘O que você esperava que eu faça aqui?’ Ele respondeu, ‘Toque.’ Eu disse, ‘Me dê três semanas!'”

“Um dos problemas em gravar o Gentle Giant era a natureza complexa dos arranjos das músicas,” diz o produtor Martin Rushent, que trabalhou como engenheiro de gravação no disco Octopus (1973). “Musicalmente tudo é perfeito no papel. Mas a não ser que você grave as faixas de bateria perfeitas, tudo soa como bagunça, por culpa de todos os instrumentos que seriam colocados mais tarde em overdub. Refazer a bateria no meio de uma gravação seria um pesadelo. Por isso, John tinha que ser preciso. E ele era.”

Nos anos 70, o Giant atraiu um culto de seguidores com sua direção artística inflexível e shows direcionados à músicos, em grande parte graças aos pés e mãos firmes de Weathers. É dito também que o baterista ajudou a manter o grupo junto quando Phil Shulman, uma das principais forças criativas do Gentle Giant, decidiu deixar a banda ainda em 1973. Aparentemente as turnês sem fim e a natureza do comércio musical fizeram com que Phil parasse. Pressionados pela sua gravadora na época para escrever singles, e ficando cansados de verem seus compatriotas progressivos alcançando sucesso comercial, o Gentle Giant condensou e temperou sua música com essa intenção nos lançamentos futuros como The Missing Piece (1977), Giant For A Day! (1978) e o quase new wave Civilian (1980). “Eu me lembro que no The Missing Piece (1977), a maioria das músicas foi gravada em um só take,” Weather diz. “Nós ensaiamos muito aquele material, mas acabou ficando um pouco sem graça, eu acho.”

O tempo foi gentil com o Gentle Giant nos últimos anos, mas no fim dos anos 70 a banda estava completamente fora do mainstream musical. Até mesmo os fanáticos pela banda achavam que eles tinham alcançado o máximo da criatividade alguns anos antes. No fim, em 1980, o Gentle Giant encerrou as atividades. Cada integrante foi atrás de seus próprios interesses. O vocalista/saxofonista Derek Shulman, por exemplo, se transformou em um dos ‘maiorais’ de gravadoras, responsável por assinar com bandas de sucesso comercial como Nickelback, Pantera, Cinderella, Dream Theater e Bon Jovi. Weathers continuou ocupado com a música durante os anos 80 e 90 com a reformada banda Man e se apresentando e gravando com vários músicos locais e para a tv galesa.

Embora o novo miênio tenha trazido novos desafios, Weathers aprendeu valiosas lições com o tempo: “Eu aprendi a aceitar minha condição física atual,” ele diz. “É o que é. Uma das minhas coisas mais preciosas é um kit Ludwig Superclassic rosa do meio dos anos 60 que eu comprei quando era do Eyes Of Blue, ela já viu dias melhores e hoje está guardada no segundo andar da minha casa. Aquela bateria tem história. Eu simplesmente não consegui me desfazer dela antes. E ela nunca estragou de verdade. Eu estou planejando dar ela ao filho do Kerry Minnear, que também é baterista. É algo que eu quero fazer. E seria ótimo ver outra pessoa tocando aquela bateria mais uma vez.”

Site
Facebook

Leia outras notícias sobre o Gentle Giant

Gentle Giant Relança Three Friends & Octopus


O selo que cuida da música do Gentle Giant pertence a própria banda, o Alucard Music, dessa maneira é possível trazer ao mercado algumas pequenas pérolas como essas.

Dois dos discos mais clássicos da banda inglesa Three Friends (1972) (leia a resenha AQUI) e Octopus (1972) estão sendo relançados. Distribuídos pela EMI os discos chegam ao mercado em formato digital e CD em formato digipack.
Essa é a primeira vez que os discos do Gentle Giant são remasterizados de suas fitas originais, e pela primeira vez com a supervisão da banda, nesse caso de Derek Shulman (voz, saxofones e muitos outros instrumentos).

Os dois discos serão relançados em 27 de Setembro com arte original dos LPs, textos escritos especialmente para esse relançamento, fotos e material ao vivo nunca antes lançado!

É possível encomendar os discos agora através da Amazon AQUI.

Site
Facebook

Leia outras notícias sobre o Gentle Giant

Three Friends, Um Alívio Para Os Fãs De Gentle Giant


Para quem gosta de Rock Progressivo o nome Gentle Giant não é uma surpresa, a lendária banda inglesa é famosa por seus arranjos altamente complexos e extremamente bem executados pelos seus músicos, por diversas vezes ao vivo o grupo deixava os espectadores boquiabertos com a quantidade de instrumentos que cada um tocava.

Para falar da reunião de parte de seus integrantes é necessário falar pelo menos um pouco da história da banda.

A base do grupo durante sua fase aurea era Derek Shulman (voz/saxofones e flauta), Kerry Minnear (voz/teclados/flauta/cello/xilofone e vocais), Ray Shulman (baixo/violino/percussão/guitarras/violão e vocais), Gary Green (guitarras de 6 e 12 cordas/bandolim/violão/percussão e vocais) e John Weathers (bateria/xilofone/percussão e vocais). Mas o grupo também contou em sua formação original Phil Shulman (voz/saxofone/trompete/flauta e vocais), Martin Smith (bateria e percussão nos 2 primeiros discos) e Malcom Mortimore (bateria e percussão no disco Three Friends (1972).

Criada pelos irmãos Shulman em 1966 como Simon Dupree And The Big Sound inicialmente era apenas uma das muitas bandas de R&B da época, apesar do sucesso moderado que tiveram nessa época. Em 1969 o grupo foi dissolvido porque os irmãos Shulman estavam frustrados com a música pop da época e queriam se aventurar em diferentes terrenos musicais. Conforme Ray Shulman “Nós sabíamos que não podíamos mais continuar fazendo aquele tipo de música. Nós não estávamos mais  interessados nos outros músicos da banda – eles não contribuiam em nada para a nossa música. Tínhamos que ensinar tudo a eles. É muito complicado quando você toca bateria melhor que o próprio baterista da banda, e mesmo nas gravações nós vinhamos fazendo mais e mais overdubs. Era estúpido manter uma banda como aquela. Então a primeira coisa que pensamos foi em achar músicos que fossem realmente bons.”

Então em 1970 nascia o Gentle Giant com os irmãos Ray, Derek e Phil, mais o guitarrista Gary e o então baterista do Simon Dupree And The Big Sound Martin Smith (mais tarde substituído pelo carismático John Weathers). E em 1973 Phil deixa a banda.
Em 1980 o Gentle Giant encerra suas atividades, todos concordam que o pico artístico da banda chegara ao fim.

Em 2008 Gary Green se reuniu com o segundo baterista do ‘Gigante Gentil’ Malcolm Mortimore e formaram uma nova banda, o Rentle Giant, para tocar somente o material antigo do Gentle Giant. Junto com os dois ex-Giants estão os músicos Roger Carey (baixo e vocais), Andy Williams (guitarra) e John Donaldson (piano e teclados).
Em 2009 Kerry se juntou ao grupo, e com três dos membros do Gentle Giant no atual grupo nada mais natural do mudar o nome para Three Friends (nome do 3º disco da banda). Junto de Kerry a banda viu a entrada de Mick Wilson (10cc) como vocalista do grupo.

Com essa formação eles não apenas querem continuar levando a música do ‘Gigante Gentil’ para as novas gerações como compor material novo como Three Friends, uma nova banda.

O primeiro show do Three Friends aconteceu no Ropetackle Arts Center (Inglaterra) em 16 de Abril desse ano e no repertório estavam as músicas: Prologue, Playing The Game, The Advent Of Panurge, Pantagruel’s Nativity, Just The Same, Think Of Me With Kindness, The House, The Street, The Room, The Boys In The Band, His Last Voyage, In A Glass House, Mister Class And Quality?, Three Friends, Free Hand, Giant e Peel The Paint.

Ficou curioso? Abaixo um vídeo dessa apresentação com a música Free Hand:

É a paixão pela música falando mais alto mesmo depois de tantos anos. Formidável!

Three Friends – Site
Gentle Giant – Site

Leia outras notícias sobre o Gentle Giant

Lançamento Poeira Zine 18! Gentle Giant & Vertigo!


A banda mais amada do rock progressivo e o selo mais desejado do mundo!

Nessa pZ, nada mais do que 12 páginas com a trajetória desse Gigante do Rock Progressivo!

Discografia comentada, a rivalidade com o Jethro Tull, a desastrosa tour com o Black Sabbath, a musicalidade única do grupo e muito mais!
A ascensão e a queda do Gigante!

Também Nessa Nova Edição:

# A primeira parte do super especial sobre o selo Vertigo, trazendo detalhes sobre a criação do selo, lançamentos exclusivos de cada país, cotações e resenhas de álbuns de bandas como Uriah Heep, Patto, Colosseum, Cressida, Black Sabbath, Warhorse, May Blitz e muitas outras!

# Os 25 anos da avassaladora, e única, passagem do Van Halen pelo Brasil!
Contos inéditos do grupo pelo país, bebedeiras homéricas e volume ensurdecedor!

Mundo Bolha: Blue Cheer, Terry Reid, Steve Morse, Return To Forever, Get Vegas, Irmandade do Blues
Capas Históricas: Space Ritual (Hawkwind)
Canções que Mudaram o Mundo: White Punks On Dope (The Tubes)
Pérola Escondida: July (psych inglês)
Have a Nice Day: Back Is Black (Los Bravos) / The Shape Of Things To Come (Max Frost & The Troopers)
Quem se Foi: Jeff Healey, Buddy Miles, Big Joe Turner, Rod Allen, etc.

Peça já a sua pelo contato@poeirazine.com.br (R$9 > R$7 do exemplar + R$2 de postagem)

Não deixem de conferir, novo site no ar: www.poeirazine.com.br

Não Perca! poeira Box: EDIÇÃO LIMITADA DE COLECIONADOR!

A poeira Zine confeccionou com total exclusividade um kit promocional que traz a nova edição e uma camiseta do Gentle Giant, tudo acondicionado num único e exclusivo box de madeira.

Os kits foram preparados manualmente, portanto trata-se de uma série limitadíssima. Veja mais AQUI.

Corra e faça já seu pedido pelo contato@poeirazine.com.br

(N.E. Eu comprei e posso garantir que a matéria sobre o Gentle Giant está muito bem escrita e a pesquisa foi muito bem feita.)
poeira Zine
Caixa Postal 12089 – CEP 02013-970 – São Paulo – SP – Brasil
contato@poeirazine.com.br
(0XX11) 9526-7947

Site
Myspace
Blog
Video blog
Comunidade no Orkut